domingo, 23 de fevereiro de 2014

(sem título)


quando há a voz que cala
o sangue pára a construção
a língua recua no trabalho
os ossos diluem-se cá dentro
os músculos soltam-se de nós

quando a voz fala de novo
é apenas para dizer adeus
é apenas para se calar de vez


Sem comentários: