domingo, 28 de julho de 2013

(sem título)


Sabes o teu nome?
Na guerra
não se sabe o nome
de ninguém

Nem o próprio nome

1 comentário:

Dylluan disse...

Tenho pena que a leitura deste blog não seja obrigatória.

Cada vez que releio, encontro sempre algo novo. Cada poema teu é uma caixinha de jóias feita de inúmeras gavetas.

sereia