domingo, 12 de maio de 2013

a menina uivando


a menina bonita caminha pela rua
vazia até à medula
a carinha de rebuçado não prende ninguém
é lixo por dentro
é lixo por fora
os nós dos dedos contam histórias de solidão
a menina linda caminha na rua
(menos suja do que ela)
fere-se quando olham para ela
cria vinganças para quem ousa contemplá-la
a menina amorosa não sabe viver
quer que a cultuem num altar-mor
quer que a não vejam quando passa
etérea e insegura
os passinhos inseguros da menina mais linda de todas
deixariam marcas de pétalas na areia
mas a menina vai pela calçada
os seus passos perdem-se no lixo de fora
os seus passos perdem-se no lixo de dentro

tenho pena da menina mais bonita de todas
a beleza sumir-se-á nos anos
e as solas com florzinhas gastar-se-ão
a menina será um cadáver vivo
uivando às memórias
uivando ao mundo injusto
reclamando a carinha perfeita
e a parecença com uma princesa das histórias infantis
mas a menina estará velha e gasta
lamentará à lua e aos gatos
tudo o que não viveu
tudo o que desperdiçou
a menina será sempre infeliz e vazia



1 comentário:

Dylluan disse...

Em cheio no cadáver fútil da Beleza!
adorei.

Espinhas do mais belo peixe