domingo, 17 de fevereiro de 2013

(sem título)


faço vinho do que sentes
arranco-o aos pedaços
piso-o com os pés descalços no chão de madeira
sorvo o néctar que escorre antes de dormir
e é assim que a beleza me chega todas as manhãs



Sem comentários: